Microsoft processa DoJ por grampos na nuvem (ECPA)

Via TheHackerNews:

 

 

A Microsoft está processando o Departamento de Justiça Norte-Americano (DoJ) para protestar contra a ordem de mordaça que impede as empresas de tecnologia de contar seus clientes quando seus dados em nuvem são entregues às autoridades

 

Em termos leigos, a Electronic Communications Privacy Act (ECPA) permite ao governo emitir ordens de mordaça dizendo que as pessoas ou empresas envolvidas em um caso legal não podem falar sobre o caso ou qualquer coisa relacionada com ele em público. Desta forma, o Governo está continuamente forçando as empresas de tecnologia para entregar e-mails de seus clientes ou registros pessoais armazenados nos servidores em nuvem, sem o conhecimento dos seus clientes.

 

A Microsoft entrou com uma ação [PDF] contra o DoJ, argumentando que é "inconstitucional" e viola a proteção constitucional da liberdade de expressão, forçar as empresas de tecnologia para não informar os seus clientes quando seus dados armazenados foram compartilhado com as autoridades.

 

Segundo a Microsoft, a empresa recebeu cerca de 2.600 ordens de mordaça nos últimos 18 meses - embora a questão não seja com o conceito das pesquisas do governo, mas com o período indefinido dessas ordens. Na verdade, as ordens de mordaça vêm com um tempo definido, após o qual, a empresa pode revelar aos seus clientes se qualquer agente da polícia ou do FBI inspecionou seus e-mails ou arquivos armazenados na nuvem.

Mas a Microsoft disse que cerca de
70% de todas as ordens recebidas pela empresa não tinham a data de término fixa, o que significa que a empresa nunca pode dizer nada aos seus usuários afetados, mesmo após a conclusão do inquérito.

 

 

Nunca antes na história humana, a privacidade dos indivíduos esteve tão ameaçada e, o que mais assusta, é que isso acontece sob um regime civil e democraticamente eleito.

 

E se tal fato afetasse apenas pessoas perigosas ou com viés terrorista ou de alguma forma ameaçador, entendo que a Microsoft não se posicionaria em contrário à ECPA. Se o faz, é evidente que a medida está alcançando pessoas comuns e injustificadamente invadidas em seus direitos inalienáveis à privacidade.

 

Governos sempre escalam "ameaças individuais" em todos os níveis, lembrando que em período recente (e negro) do Brasil, simples artistas, cantores, dramaturgos e até mesmo repórteres (que apenas evidenciam fatos) foram tratados como "inimigos do Regime", sendo privados de seus direitos básicos e "convidados" a abandonar o pais na base do "Ame-o ou Deixe-o".

 

E é exatamente por questões políticas como estas que defendo tanto a criptografia forte como forma de preservação da privacidade do indivíduo. Governos que vão contra direitos fundamentais podem e vão acabar indo contra todos os outros direitos, de todos os outros indivíduos de sua sociedade - como a História nos mostra de forma tão contumaz.

Please reload

Destaques
Please reload

Posts Recentes

December 12, 2016