Facebook: apuros novamente sobre privacidade

 

O Facebook está enfrentando um novo processo de ação coletiva no norte da Califórnia sobre alegações de que a empresa verifica, sistematicamente, "mensagens privadas de seus usuários na rede social, sem o seus consentimentos, objetivando lucro através do compartilhamento destas informações com anunciantes e comerciantes".

De acordo com o processo judicial, o Facebook pode ter violado leis federais de privacidade, digitalizando as mensagens privadas dos usuários. O Facebook rotineiramente verifica as URLs dentro de mensagens privadas dos usuários para vários fins, como proteção anti-malware, busca por padrões da indústria (Copyright), pornografia infantil, entre diversas outras. Mas o processo alega que a empresa também está usando esses dados para a publicidade e outros serviços de segmentação do usuário.

 

Os autores do Processo, Matthew Campbell e Michael Hurley, argumentam que o Facebook está fazendo a varredura e coleta de dados de URLs relacionadas de uma "forma pesquisável", violando tanto a Electronic Communications Privacy Act quanto a Invasion of Privacy Act of California, relatou o Verge. O Facebook argumenta que a empresa verifica as mensagens particulares dos usuários em massa, e mantém os registros de URL em formato anônimo e que estes dados só são usados de "forma agregada". No entanto, de acordo com uma análise técnica feita em nome dos autores, cada mensagem relacionada com a URL é armazenado em "Titan", um banco de dados mensagem privadas que exibe a data e hora a mensagem foi enviada, juntamente com os IDs de usuário de tanto o remetente como o destinatário.

Verifica-se que o Facebook já se utilizou dessa prática no passado, mas a empresa alegou ter parado com este tipo de ação há muito tempo:

 

"Estamos de acordo com o tribunal de considerar que a alegada conduta não resultou em qualquer dano real e que não seria adequado para permitir que autores de exigir uma indemnização em uma base ampla de classe", um porta-voz do Facebook disse CNET. "As reivindicações restantes referem-se a práticas históricas que são perfeitamente legais, e estamos ansiosos para resolver essas alegações sobre o mérito."

 

No entanto, segundo os demandantes, o Facebook ainda está continuando a recolher links de mensagens privadas dos usuários:

 

"O código-fonte do Facebook não só revela que o sistema continua a adquirir conteúdo de URL a partir de mensagens privadas, mas que também continua a fazer uso deste conteúdo que ele adquire/obtém."

 

Para saber maiores detalhes, você pode verificar o processo aqui

 

A ação foi inicialmente apresentada em 2012 e, por enquanto, é esperado que o caso prossiga. 

Please reload

Destaques
Please reload

Posts Recentes

December 12, 2016